• Radware

Nuvem pública fora do ar novamente? Previsões para 2021

Por Prakash Sinha – 10 de dezembro de 2020




Achei que tivéssemos presenciado o fim dos problemas de disponibilidade no ano passado (veja meu blog do ano passado). Afinal, confiabilidade e capacidade de processamento suficiente para manter os aplicativos disponíveis em caso de falhas é um dos grandes benefícios de migrar para a nuvem ou desenvolver aplicativos nativamente na nuvem.


Mas NÃO. Este ano, a interrupção do Amazon AWS superou tudo o que vimos antes; muitos serviços – como Roku, Vonage, Adobe, Washington Post, Flickr, Autodesk, para citar alguns – foram afetados por mais de 8 horas. Essa interrupção do serviço geralmente leva a uma experiência ruim para o cliente, e os invasores e hackers sabem disso e usam um amplo conjunto de técnicas para causar danos. A mudança para a nuvem ficará mais lenta com essa interrupção? Resumindo, NÃO. Mas as organizações estarão mais dispostas a evitar apostar todas as fichas de computação em somente um fornecedor.


Dito isso, aqui estão minhas previsões para 2021:




Impulso contínuo em direção à nuvem


  • As empresas avaliarão as opções multinuvem e de vários fornecedores para se proteger contra interrupções em seus provedores de nuvem primários;

  • Os aplicativos de negócios com impacto na receita serão hospedados em vários provedores e as empresas exigirão acordos de nível de serviço e soluções de alta disponibilidade;

  • A fácil disponibilidade de ferramentas sofisticadas de hacking e bots forçará muitos a pagar para manter os ataques de negação de serviço fora de redes privadas virtuais/corporativas;

  • Haverá mais disposição para investir em educação para lidar com questões como phishing e engenharia social, que desempenham um grande papel nas falhas humanas.



Mais trabalhadores remotos


  • Outros investimentos em soluções para aprimorar a experiência do usuário final, incorporando otimizações de cache, compactação, WAN e front-end;

  • Movimento em direção a um ambiente de confiança zero para garantir que os aplicativos sejam acessados pelos usuários certos, que são autorizados e autênticos;

  • Implementação adicional de autenticação multifator, logon único, autenticação de cliente, remoção de cifras inseguras e mudança para TLS 1.3;


[Você também pode se interessar por: O futuro do trabalho: A força de trabalho híbrida]



Scraping e ataques de bot em aplicativos continuarão a aumentar


  • As organizações avaliarão e investirão em melhores tecnologias de mitigação de segurança, incluindo tecnologias de proteção de bots, segurança de API, segurança de aplicativos e prevenção de vazamento de dados;

  • Investimento adicional em ferramentas forenses e de visibilidade na nuvem para obter visibilidade acionável para gerenciamento, monitoramento, auditoria, conformidade, perícia e solução de problemas.



Uma falta contínua de redes multinuvem e experiência em segurança


  • A falta de conhecimento humano necessário forçará mais automação de configuração para implementar redes corporativas e políticas de segurança — agora em ambientes de múltiplas nuvens;

  • Ferramentas aprimoradas de automação e orquestração surgirão para ajudar a implantar escalabilidade, monitoramento, segurança e construções de otimização de aplicativos em múltiplas nuvens;

  • Muitos MSPs oferecerão a experiência multinuvem para clientes dispostos a pagar alguém com a experiência.


[Você também pode se interessar por: É por isso que precisamos nos manter seguros na nova economia sem contato]



O custo das implementações em nuvem voltará a ser uma preocupação


  • Agora que o modelo de precificação que cobra pelo volume de recursos utilizados gerou alguns choques de precificação para empresas que foram forçadas a migrar para a implementação somente em nuvem devido à pandemia, as empresas buscarão reduzir o custo de computação e licenciamento;

  • Modelos elásticos e flexíveis de BYOL em ambientes multinuvem serão favorecidos por MSPs e grandes empresas;

  • Os custos de operação na nuvem aumentarão ainda mais, à medida que os clientes pagam por segurança e visibilidade, além da computação das cargas de trabalho.


A pandemia de COVID-19 acelerou o cronograma de transição para a nuvem para muitas organizações. No entanto, as interrupções em muitos dos maiores provedores de serviços em nuvem e recentes ataques de hackers e resgates destacam os desafios de disponibilidade, escalabilidade e segurança que devem ser enfrentados para manter as empresas e os dados do cliente seguros e disponíveis.


Nota: Uma versão deste artigo apareceu pela primeira vez em VMBlog.com.




39 vistas0 comentarios
  • Facebook
  • YouTube
  • Twitter
  • Gris LinkedIn Icon